Violência sai da tela e mata

Diante do ataque ocorrido em Colorado durante uma sessão do último filme do Batman, eu e minha amiga Jacqueline Elise escrevemos a seguinte matéria para a edição de setembro do jornal Contraponto.

Na época da publicação, não se pensava em acusar a cultura de armas e a venda desenfreada de armamento nos EUA como causa desse tipo de violência. A culpa era sempre atribuída aos videogames violentos, a filmes e toda a indústria de entretenimento. Depois do último ataque ocorrido numa escola em dezembro, o presidente Obama resolveu reavaliar o comércio de armamento dentro do território estadunidense, criando um novo pacote de medidas para controlar a venda de armas.

A cultura de armamento presente nos EUA vem de muito tempo. Os cidadãos realmente acreditam que é de direito de cada um ter uma arma para se proteger contra possíveis invasores ou ameaças, tudo por uma questão de segurança. Pode soar besta, mas existe um episódio de South Park que ilustra muito bem esse clima de tensão que se instaura a partir do momento em que uma população inteira estiver armada.

Além disso, o filme de Michael Moore sobre o atentado em Columbine, “Tiros em Columbine”, ilustra muito bem como funciona a indústria e a cultura de armamentos nos EUA.

Nesse contexto, escrevemos essa matéria, que merecia uma boa atualização graças aos últimos acontecimentos relacionados à lei de armamento. Mas por hora, fiquem com a matéria produzida em setembro. Espero que gostem.

Show de horrores: Violência sai da tela e mata

Tiroteio em cinema no Colorado (EUA) traz à tona o debate sobre a influência dos meios de entretenimento em crimes

Por Jacqueline Elise* e Letícia Naísa

Como se a morte fosse uma brincadeira inocente, o jovem James Holmes de 24 anos entrou em um cinema lotado em Aurora, Colorado, durante a estréia do filme Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge e atirou contra a platéia no dia 20 de julho de 2012. Aparentemente, James era fã da saga e se identificava com o vilão, o Coringa. Após a confirmação de 12 mortes e 59 feridos, seu ato tornou-se motivo de choque e indignação ao redor do mundo, e sua imagem foi amplamente reproduzida em jornais e revistas. Assim como James, outros casos como o tiroteio de Aurora ganharam notoriedade pela frieza e indiferença de seus executores e a relação com o entretenimento que eles Continuar lendo

Anúncios